sexta-feira, 11 de abril de 2014

O lobo

- Eu sou má? - perguntava-se, num sussurro íntimo. As palavras ecoavam silenciosamente dentro de sua cabeça.

Lembrava-se de quando era criança e gargalhava das limitações de seus coleguinhas, e de quantas vezes transformou o constrangimento alheio em risadas.

- Por quê? – insistia.

Pensou na força que tinha que fazer para não desejar que as coisas dessem errado para certas pessoas. Força essa resultante do atrito entre o politicamente correto e a selvageria engaiolada nas masmorras de sua alma.

- Mas eu ajudo os outros. Tenho carinho por meus amigos e familiares. –tentava se explicar para si mesma.

Assustava-se com seus próprios argumentos. Seu caráter mais se aproximava de um primitivo instinto animal: prezava verdadeiramente apenas por suas crias, seu bando.

- Eu tenho amor ao próximo, sim! – bradava para dentro, como se em algum lugar no interior de seu corpo, alguém a pudesse ouvir.

Uma vergonha cortante atravessava seu peito: pensava em quantos sorrisos já teve que conter ao presenciar o fracasso de terceiros.

Sentia-se mentalmente perturbada com os traços psicopatas, bipolares e esquizofrênicos que iam se exteriorizando no decorrer de seu monólogo.

- Não é minha culpa. É que algumas pessoas fazem por merecer uns tropeços. – justificou e julgou.

Estava fraca, escassa de poréns e porquês. Sua maldade era fato. Não tinha jeito.

- Mas não é somente minha essa maldade. É de todos. Hipócritas aqueles que se dizem bons. – atacou os homens, por serem os lobos de sua própria espécie.

Era mais fácil assim: reduzir-se a uma partícula dessa massa heterogênea que é a humanidade. Não havia a pressão de ser o todo, o sujeito. Acreditar que o mal é intrínseco à raça humana dissolvia a culpa ardente que a consumia.

Sem se importar, abraçou suas frágeis desculpas e seu travesseiro.

- Que mal há em ser mau quando todos o são? Existe o bem afinal?

Era inútil procurar por bondade neste mundo tão cheio de realidades.

O cansaço a vencia. Imaginando se encontraria o bem dormindo em alguma calçada nas esquinas de seu subconsciente, adormeceu.



14 comentários:

  1. Aí eu volto acá, no Melocotón, sempre guiado pelas mãos sensíveis do amigo Gilson Caroni Filho e quero aqui fazer uma confissão de culpa: Ando meio relapso, quando deveria vir sempre nesse espaço privilegiado, onde sempre Larissa Acosta escreve coisas que realmente valem a pena ser lidas, coisas que nos levam a refletir e concluir que há sim, vida inteligente no planeta. Eu adorei, eu devo sim, é me penitenciar e vir com mais frequência e me deleitar com boa leitura, pois sou um tolo em não fazer essa viagem, sempre!

    ResponderExcluir
  2. Assustava-se com seus próprios argumentos. Seu caráter mais se aproximava de um primitivo extinto animal: prezava verdadeiramente apenas por suas crias, seu bando.

    Tão humano, tão mãe que almbe suas crias e defende o seu rebanho... quem nunca fez?

    ResponderExcluir
  3. Muito bom texto! Parabéns!
    Eliete Ferrer

    ResponderExcluir
  4. Bom texto para refletirmos, e, claro, todos temos nossas maldades, ainda que muitos, a maioria, creio eu, sejam apenas maldades interiores. O problema é quando passamos a exteriorizá-las demais.

    ResponderExcluir
  5. Um avistamento!
    Uma sombra de luz!
    EDUARDOCAETANO.

    ResponderExcluir
  6. Larissa, seu texto é bem escrito tecnicamente, bem elaborado, e extremamente inteligente! Isso se chama estudo e talento! Parabéns, moça! Continue assim!
    (Jaqueline Quiroga)

    ResponderExcluir
  7. Talentosa, essa menina vai longe.

    ResponderExcluir
  8. É muito interessante mesmo o questionamento do bem e do mal, como somos, como nos vemos e como os outros nos vêem. Essa necessidade louca de perfeição sempre. Parabéns.

    ResponderExcluir
  9. Há, sim, uma interseção entre o bem e o mal! E Larissa soube ambientá-la
    Show!

    ResponderExcluir
  10. Obrigada! Espero vocês nos comentários de meu próximo texto. Um beijão!

    ResponderExcluir